21.6.17

Resenha | Diário de Uma Paixão

21.6.17
recebido em parceria com a editora arqueiro

Sempre tive preconceito com livros do Nicholas Sparks porque eles trazem personagens masculinos muito irreais, e isso é um incômodo, mas acabei percebendo que a maioria dos Romances faz isso haha. Decidi ler O Diário de Uma Paixão.


Duke é bem simples, mas ele teve um grande amor na vida e isso pra ele bastou. Ele trabalha numa clínica de repouso – e também mora lá. Nessa Clínica, Duke lê poemas pros pacientes, mas pra uma paciente – com Alzheimer - em questão, ele lê um diário especial. E isso é para que um milagre aconteça.
 
O diário conta a história de Noah e Allie, eles se conheceram num festival quando eram jovens. Mas o romance não durou muito, já que a família dela acabou indo embora e eles se separaram. Alguns desentendimentos fizeram com que eles não tivessem mais contato... durante 14 anos.
 



Depois de todo esse tempo eles se reencontram. Em momentos diferentes da vida, Noah ainda está só, mas Allie é noiva de um advogado bem sucedido.

Vou ser sincera, o livro é mais água com açúcar do que a maioria das histórias de romance. E esse é um livro bem curto, ou seja, os acontecimentos são bem rápidos. E isso me incomodou um pouco, queria mais páginas e informações completas. Mas não é algo que impeça a compreensão da história num todo. 
 
O Diário de uma Paixão é uma história emocionante, onde o amor é o foco principal. Narrado na primeira pessoa por Duke que ao mesmo tempo que fala do presente recorda do seu passado junto da história de Noah e Allie. O livro é bem previsível, mas é um previsível bom de acompanhar.
 


"Tenho certeza de que você acha que eu não entendo pelo o que está passando, mas eu entendo. Só que, às vezes, nosso futuro é ditado pelo que somos, não pelo que queremos." - p. 52

9.6.17

Resenha | Um Menino em um Milhão

9.6.17

Quinn Porter é um guitarrista na casa dos 40 que nunca conseguiu realmente crescer na sua carreira. Ele sempre esperou sua chance na música, mas durante esse mesmo tempo, se tornou um pai ausente para o filho, nome e um marido ausente para Belle. Com isso, ele nunca conseguiu criar um vínculo com o menino. O garoto acaba falecendo prematuramente devido a uma doença rara, e Quinn recebe uma missão. Aliás, ele precisa terminar uma missão que o filho começou, ajudar uma senhora, Ona Vitkus que tem 104 anos (o menino era escoteiro) a obter o recorde de motorista habilitada mais velha. E é nessa atividade que Quinn vai conhecer o filho.

"Esperar é uma coisa perigosa." - p. 110

5.6.17

Resenha | Adeus, Tóquio

5.6.17
Recebido de cortesia da Globo Alt

Adeus, Tóquio é tragicamente clichê e belo.


Vamos conhecer Sophia, filha de pais separados e que viveu grande parte da sua vida indo e voltando de Tóquio pra Nova Jersey pra Paris. E agora ela só tem maia uma semana em Tóquio, onde ela fez seus melhores amigos David e Mika e onde ela construiu alguns laços. Nessa última semana a única coisa que ela quer é se despedir e tentar superar uma mudança para Nova Jersey que ela não quer fazer.


Mas ai Jamie chega em Tóquio, três anos atrás – quando ele foi embora de lá – eles tiveram um grande desentendimento. E nesse momento, ele voltar justamente naquela semana foi a pior coisa.
"Todos nós construímos alguém em nossa cabeça. Todos nos machucamos por causa de alguém que nos magoa." - página 99


Resenha | Fox Craft


A Magia da Raposa é o primeiro livro da série FoxCraft.

A família de Isla desapareceu e ela ainda é um filhote, ou seja, um pouco frágil. O desaparecimento aconteceu depois de um grupo de Raposas perigosas ter invadido a cabana da família. Agora ela vai enfrentar o mundo dos Sem-Pelo (os humanos) e é nessa jornada que ela vai descobrir sobre a Foxcraft, uma espécie de magia que todos da família possuem.

A narrativa é feita em primeira pessoa pelo ponto de vista da Isla, sim a historia é narrada por uma raposa filhote. O que é muito interessante, mas em alguns momentos bem confusa. Por exemplo, a autora usou floreios meio desnecessários, principalmente pensando no público alvo do livro que é o infanto-juvenil. Eram palavras difíceis e em outras partes, Isla não fazia ideia do que seria um zoológico ou coisa do tipo e é preciso que o leitor deduza do que ela tá falando.




O livro tem um tom bem introdutório, já que é o primeiro de uma série. A ligação de Isla com seu irmão é um peça chave na narrativa, eles são o alvo das raposas más. O livro é uma graça, apesar desse lance na construção das falas e ideias de Isla.


O desenvolvimento da magia no livro é bem interessante, principalmente por serem com raposas que são animais tão amorzinho <3. Eu gostei do enredo no total porque é algo diferenciado. Mas lembrem-se que é um livro infantojuvenil.
 
 
Bela Psicose - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©