27.7.16

Resenha | De Volta a Blackbrick

27.7.16
De Volta A Blackbrick
Recebido em parceria com a Galera Record

Cosmo não teve um início de infância muito fácil. Seu irmão Brian morreu em um acidente com uma janela e isso afetou muito sua mãe que foi trabalhar em Sydney. Ele então, vai morar com os avós DeeDee e Kevin. A relação dele com o avô sempre foi muito próxima, mas isso acaba sendo afetado pelo fato de o avô ser atingido pela doença de Alzheimer e Cosmo tem que aprender a lidar com isso enquanto ajuda o avô o quanto pode a superar a doença. O problema é que o menino quer descobrir uma forma de reverter algo que ele não tem poder pra fazer. 

Cosmo procura a ajuda da Internet – como qualquer pessoa faria - buscando respostas. E ele encontra e começa a praticar as instruções de um site. Esse ponto da narrativa – assim como vários outros – me tocaram muito.

"Mas dar o melhor de si nem sempre quer dizer que terá resultados incríveis." - p. 31
De Volta A Blackbrick
Em dada noite quando o avô tem um momento de lucidez em meio a doença, Kevin entrega uma chave ao neto dizendo que elas abrem os portões de Blackbrick e pede que Cosmo vá até lá porque ele estará o esperando. 

Primeiro o menino acha que o avô perdeu a cabeça de vez, mas por ter feito uma promessa, ele decide ir até a Abadia de Blackbrick e ver no que dá. E o enredo da nossa história começa quando Cosmo passa pelos portões da Abadia.

A narrativa é feita na primeira pessoa pelo ponto de vista do Cosmo que é uma criança extremamente madura – e talvez tenha sido isso que me ajudou a gostar do livro. Eu não tenho muita facilidade com histórias narradas por crianças, mas essa foi uma salvação pra mim. 

" - Cosmo você está interferindo na ordem natural das coisas.
- É, mas qual é o problema nisso? Se a ordem natural das coisas é desagradável assim, então é minha responsabilidade interferir." - p . 38
De Volta A BlackbrickDe Volta A Blackbrick
A história criada pela autora envolvem viagem no tempo – para o passado mais especificamente. Mas não espere que coisas fantásticas aconteçam nesse passado. É apenas um cotidiano – muito interessante dentro da proposta do livro. E mostra que às vezes, mesmo que tentemos muito “ajeitar” as coisas do passado não significa que elas afetaram o presente/futuro. A autora também criou um ar incrível de superação e enfrentar as coisas difíceis que a vida tem pra gente. 

"Acho que existem certas coisas que precisamos dizer às pessoas, ainda que essas tais coisas pareçam não ser da nossa conta." - p. 131

Foi muito tocante ver o quanto Cosmo trabalhou em favor de seu avô, tentando ajudar até quando a situação parecia completamente maluca. Por que fala sério, imagina você ir até um lugar meio que abandonado e descobrir que ali habita o passado adolescente de seu avô? (Isso não é spoiler, ok?) A autora desenvolveu bem a história, mas fiquei um pouco assustada quando estava chegando perto do fim porque pensei que a finalização ficaria corrida demais. Mas não, foi um final coerente e muito amável. 

Essa é uma leitura leve e gostosa, recomendaria para quem está de ressaca literária. 
Recomendo muito a leitura <3


"Às vezes, deixar algo para trás também é importante. Temos que aprender a fazer isso. Aprender a fazê-lo sem deixar que nos destrua." - p. 190

8 comentários:

  1. Amei a resenha desse livro! A capa é tão linda, já me vi lendo esse livro com certeza , histórias assim sempre me emocionam. Bjkas

    ResponderExcluir
  2. Oii,

    Gostei da sua resenha, pois é ela é bem direta. Gostei da história e estou curiosa em ler a mesma, e ainda mais com muitas pessoas falando bem desse livro. Mas fiquei apaixonada por essa capa,, muito linda.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ana!

    Não ando na vibe de livros assim, tocantes. Eu to numa fase de sobrenatural ultimamente... rsrs.
    Por ora, não me interessei pelo livro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Fiquei tocada, emocionada com a premissa, talvez por eu passar por uma situação semelhante, minha mãe tem Alzheimer e obviamente desejamos reverter situações que sabemos que são irreversíveis. E isso nos frustra e nos faz sofrer por antecipação. Livros como esse nos tira um pouco da realidade e acalma nossas angustias.
    Adorei a resenha, ótima dica!
    Ni
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana
    Nunca tinha ouvido falar desse livro e achei muito interessante o tema abordado... a forte relação do neto com o avô e as dificuldades dessa doença tão complicada que é o Alzheimer. Gosto quando o autor consegue mesclar fantasia com assuntos sérios da nossa vida real... ao mesmo tempo que diverte nos ensina muito!
    Bjokas

    http://thehouseofstorie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oie
    muito legal sua resenha e adorei essa capa tão fofa, fiquei curiosa pela leitura apesar de não ser bem meu gênero favorito

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Ah! Achei a história muito fofa e parece ter muita aventura, com tanta viagem no tempo e tal... Adorei! Achei a capa muito bacana e o título intrigante, ambos combinando com a premissa. Cosmo parece ser um protagonista daqueles que nos cativam de primeira. Dica anotadíssima!

    ResponderExcluir
  8. Olá Ana...
    Não conhecia esse livro e achei a história bem interessante. A capa é muito linda e apesar de não ser o gênero que eu mais leio, me interessei pelo que disse.
    Anotei a sua dica..

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada pela visita e volte sempre <3

Bela Psicose - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©