26.12.16

Resenha | O Menino Feito de Blocos

26.12.16
Recebido como cortesia do Grupo Editorial Record
Não funciono muito com livros com crianças, principalmente se eles são narrados por elas – não é o caso desse – mas o Grupo Editorial Record me enviou esse numa cortesia e eu fiquei muito encantada pela sinopse. Vamos lá!

Alex é casado com Jody e eles tem um filho de 8 anos chamado Sam. A grande questão aqui é que o menino é autista e Alex tem muita dificuldade em se aproximar dele. Ou seja, só Jody consegue realmente ter algum relacionamento com Sam. Nossa história começa quando Jody “expulsa” Alex de casa, o casamento está desgastado porque nesses 8 anos tudo é por Sam e também porque Alex se afunda no trabalho – que não gosta, mas paga as contas – "pra não lidar com o filho". Jody pede essa “separação experimental” e manda Alex resolver os seus problemas. 
 
"Posso sentir meus níveis de ansiedade se elevando. Sam de bom humor é um desafio, Sam de mau humor é imprevisível e assustador." - p. 26
 
Alex vai morar com Dan, um de seus amigos e nisso, ele tem uma espécie de crise de identidade. Ele começa a pensar e ver que tudo está muito errado e isso também tem muito a ver com o passado do nosso narrador, um acidente que levou a vida de seu irmão, George. Alex acaba preso demais ao passado o que atrapalha sua vida no presente e pode ter consequências no futuro.

"Quando você perde alguém, a dor vai atrás de você com tudo, como uma enchente-relâmpago, derrubando todas as defesas que ergueu com tanto cuidado. Você faz o que pode; usa o que estiver à mão para ajudá-lo a sobreviver." - p. 97

Nisso, no meio de toda essa bagunça ele começa a tentar se aproximar do filho – muita coisa acontece com Alex nesse período, mas vocês precisam lerSam começa a jogar Minecraft (aquele jogo dos blocos sabe? Pois é) e apesar de não entender muito no início, Alex percebe que essa é uma porta para o mundo de seu filho.  
 



"Sam é um turista no nosso mundo, um viajante desorientado sem noção das peculiaridades e dos costumes do lugar." - p. 143

Incrível, é a palavra que tenho pra descrever essa leitura. Keith Stuarto autor – tem um filho autista e escreve sobre games pra sobreviver. Ou seja, ele pegou duas coisas muito conhecidas por ele e criou um livro cativante. Temos algumas problemáticas envolvendo Alexseu passado com experiência trágica, o casamento, o emprego #bosta – e alguns outros que são apresentados ao leitor. Mas isso é apresentado em segundo planode forma bem colocada – com a grande situação do livro que é relacionamento de pai e filho. Ele é um personagem muito interessante e eu me apeguei muito a ele sabe? É um cara que se perdeu e a única coisa que sabe fazer é fugir, mas ele tenta enfrentar isso. Depois de uns baques da vida.

"Você se aborrece muito, sempre foi assim. Não deixa o mundo te encurralar em um canto." - p. 174


"[...] O autismo é uma versão amplificada e muito centrada de como todos nos sentimos, das ansiedades que todos temos. A diferença é que o restante de nós esconde tudo sob camadas de negação e condicionamento social." - p. 215
 
Uma coisa que me incomodou profundamente na personagem da Jody é que ela manda o marido pra fora de casa o culpando por tudo de ruim e dizendo pra ele “se resolver”... Ela repete muito isso de que ele precisa se resolver, mas ela não tenta em nada o ajudar de alguma forma sabe? Isso fez com que no início eu simplesmente a achasse um saco de pessoa. Mas como tudo no livro, ela é bem desenvolvida e como Alex percebe suas falhas e tenta consertar. #preach


Temos Dan e Emma – irmã de Alex- como secundários, além de Matt e Clare – que senti que foram um pouco esquecido lá pro fim do livro, mas tudo bem. Emma encontra uma forma de “superar” o passado que na verdade é só uma máscara: viajar. Isso acarreta problemas porque nisso ela deixa de falar com Alex e sua mãe. Mais uma problemática do livro que foi muito bem resolvida. 
 
"[...] Penso em como a felicidade é fugaz e frágil.  É tão fácil deixá-la escapar. Às vezes, ela passa e você não vê. Mas, às vezes, se você for extremamente sortudo e paciente, ela aparecerá outra vez." - p. 314

A narrativa é feita na primeira pessoa pelo ponto de vista de Alex. É muito lindo ver o decorrer dessa aproximação difícil com Sam que é uma criança muito inteligente e até sentimental apesar de suas limitações dentro do autismo. O final é incrível, ver como ele cresce como, ver como Alex cresce e até Jody. A verdade é que todo mundo nesse livro se encontra, eles conseguem se resolver. Ninguém continua perdido sabe? Foi muito gostoso ler algo assim que de forma realista mostra que todo mundo consegue. Seja o que for.


Keith Stuart, você pode escrever mais. Esse livro DEFINITIVAMENTE é um favorito e todo mundo deveria ler. Ele faz o leitor crescer como ser humano. Precisamos muito disso! 
 
"A vida é uma aventura, não um passeio. É por isso que é difícil, porque a vida é extraordinária e cheia de significado, e coisas assim têm custo. É preciso ser paciente, forte e estar preparado." - p. 360

Compre aqui

 

28 comentários:

  1. Olá
    Recentemente também fiz essa leitura e adorei poder conferir suas impressões a respeito. Foi um livro que me surpreendeu bastante, especialmente porque não tinha expectativa alguma sobre ele. Gostei do que você comentou sobre todos se encontrarem nesse livro, concordo plenamente e pensei a mesma coisa quando eu li. Não se tornou um favorito, mas ainda assim gostei bastante e acho que é mais do que recomendado!
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Confesso que não tenho muito costume de ler livros do gênero, mas gostei muito das suas impressões, que me deixaram curiosa sobre o livro. Interessante saber que mesmo diante de todos os desafios, o protagonista encara tudo de frente, tentando levar a vida da melhor forma que pode. Essas obras normalmente nos fazem refletir muito, por isso com certeza vou investir em um exemplar. Espero me encantar tanto quanto você.

    Abraços,
    Cá Entre Nós

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha, me aguçou o apetite pra comprar,vou compartilhar no face.

    ResponderExcluir
  4. Oi, como vai? Eu não estava muito animada com o livro, mas fiquei bem receptiva depois da sua resenha. Acho muito legal que a autora aborde essas questões pessoais, acabam nos dando uma lição de vida.
    Vou procurar ler!
    Beijo, Leitora Encantada
    Participe do Sorteio de Natal, ainda dá tempo!

    ResponderExcluir
  5. Olá Ana, tudo bem?

    Quando veio o Catálogo da Record (clássicos) para que pudéssemos solicitar nossos desejados, apareceu ali no meio O Menino Feito de Blocos. Claro que a capa chama bastante a atenção, mas ao ver que é mais um livro que aborda o Autismo, acabei deixando-o de lado no momento. Não estou 100% preparada para adentrar em mais uma leitura do tipo, rs.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Sempre tinha visto a capa desse livro por aí, mas nem fazia ideia do que se tratava, ao menos até agora. Pela capa, confesso, não tinha me interessado muito, mas ao saber que se trata de temas psicológicos como crises de identidade e autismo, fiquei mega curiosa pra saber como o autor desenvolveu, principalmente por ele ter inspirado um pouco no que ele vive.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/
    Participe dos SORTEIOS que estão rolando lá no blog!

    ResponderExcluir
  7. Oi,

    Esse livro parece ser incrível. Fiquei com muita vontade de ler. Passarinha tem uma temática parecida, um livro narrado por uma autista, porém vai tratar também do luto.
    Acho que ambos os livros abrem espaço para de certa forma compreendermos também as pessoas que são autistas.
    Ainda podemos dizer que é um visão superficial, pois que escrever convive com o autista, mas não está na mente deles para nos dar uma visão 100% verídica, mas com certeza gostarei de fazer essa leitura. Já coloquei na lista.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Eu já achei a capa sensacional, só isso já me atraia para ler, e após ler sua resenha fiquei super curioso. Esse primeiro quote foi excelente!
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Olá Ana, tudo bem?
    Tenho lido muitas resenhas positivas sobre essa obra e em consequência disso estou bastante curiosa sobre ele, mesmo não sendo o tipo de livro que eu costume ler. Essa questão de um pai que quer aprender a se comunicar com o seu filho que é autista é muito interessante e abre espaço pra abordagem de diversos temas essenciais, sendo essa relação um deles. Gostei muito das suas impressões sobre a trama que me pareceu ser bastante realista dentro do possível e com personagens convincentes. Com certeza darei uma chance.
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    ResponderExcluir
  10. Ao contrario de você eu gosto muito de livro com crianças, principalmente quando são narrados por elas, o olhar inocente nesse mundo tão caótico me encanta bastante. Mas enfim, falando sobre o livro, não o conhecia, mas pq tô meio desligado dos lançamentos literários ultimamente, mas ele parece ser incrível, tenho certeza que quando eu o ler (e com certeza irei fazer) me apaixonarei pela historia. Otimo post!


    Abraços

    Resenha Jogador Nº1
    {Des}Construindo o Verbo

    ResponderExcluir
  11. Eu tenho visto a capa desse livro por aí, mas não sabia exatamente do que se tratava, e adorei saber pela sua resenha que se trata de autismo. É sempre bom ler uma história cativante e aprender um pouco também.
    Adorei saber que os personagens são bem construídos e cada um tem um desfecho pra seus problemas.
    Com certeza pretendo ler!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    É tão legal quando um livro que tem um estilo que tem tudo para desagradar, agrada.
    Gostei de conhecer suas impressões, achei bem interessante Alex estar preso ao passado e estou me perguntando como tudo foi conduzido partindo dessa ideia. Gostei de Minecraft estar nessa obra, tenho visto que esse jogo ajuda muitos garotos a superar vários traumas.
    Vou anotar a dica, certeza.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem ?
    Muitos blogs tem feito resenha deste livro, adorei as fotos que você fez, ficaram bem bonitas. Achei bem interessante o livro tratar sobre o autismo, principalmente em saber que o filho do autor está dentro do espectro, assim sendo, creio que a riqueza de valores e detalhes é muito maior. Gostei também do fato dele usar e citar o videogame como fonte de laço entre os dois.
    Ótima resenha.
    Beijos
    www.estilo-gisele.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Esse livro me parece ser de uma sensibilidade ímpar. Parece ser interessante o modo como as relações entre os personagens foi construída e forma encontrada para a aproximação com o filho. Eu amei sua resenha. Muito bem construída e completa. Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem? Achei bem bacana o enredo desse livro ainda mais por se tratar de um tema tão importantes como autismo. Ao contrário de você pela sua resenha não achei as atitudes de Jody errada e som achei que ela fez certo pois Alex tinha que perceber por conta própria o que ele estava perdendo. E foi esse pontapé que o tirou do comodismo é fez ele enxergar para vida. A realidade é que só enxergamos e damos valor as coisas quando a perdemos.
    Dica super anotada. Quero ler em breve.
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Olá, Ana. Tudo bem?

    Que capa LINDA, assim como a história. Confesso que não a conhecia e nem seu autor, mas fiquei muito encantado com a premissa e com o que você descreveu em sua resenha, então, vou colocá-lo em minha lista de "quero ler" no Skoob e fazer de tudo para lê-lo em 2017. Histórias assim sempre comovem bastante, não é?

    Beijos.
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderExcluir
  17. Oie,
    Não tinha lido nada sobre o livro até agora, e gostei bastante da premissa, o pai "ausente" tentando se aproximar do filho autista, parece ser uma historia muito envolvente, já quero ler!

    Beijos
    Bru, Cantinho da Bruna

    ResponderExcluir
  18. Oie
    ai que legaaal, eu recebi o livro e quero muito ler, é a primeira resenha que leio do livro e que bom saber que foi um dos favoritos pois me animei ainda mais, eu adoro o tema que o livro retrata então tem tudo para eu curtir também hehe

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. É a segunda resenha que leio desse livro hoje e vou colocar na meta de 2017, queria que você não tivesse contado qual o trauma do Alex porque agora sinto que não vai ter nada pra descobrir durante a leitura (adoro desvendar os mistérios e segredos dos personagens), mas ok.

    ResponderExcluir
  20. Já li várias críticas sobre esse livro e nenhuma negativa. Todas o elogiando muito, e foi isso que me despertou a curiosidade de lê-lo. Assim que o ano entrsr irei adquiri-lo. Estou mega curiosa para conferir cada trecho de perto. Parabéns! Amei sua resenha. Bexitus livrescos!

    |amorlivresco.wordpress.com|

    ResponderExcluir
  21. Oi, Ana!
    Tenho esse livro na estante e ele será uma das minhas próximas leituras. Gostei de saber que o livro aborda um tema importante e que deixa uma mensagem boa para o leitor, leituras desse tipo é sempre bom. Gostei da premissa e já vou pegar na estante para ler logo.

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  22. Oiee Ana ^^
    Esse livro é lindamente incrível, né? De início eu não sabia o que esperar, principalmente em relação à escrita do autor, mas fui surpreendida e fisgada pela história. Até chorei com o final...haha' quis entrar no livro e abraçar todo mundo e não soltar nunca mais. Livro lindo lindo ♥ podia virar filme :)
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Também não curto muito livros narrados por crianças, então achei bem interessante esse, que antes de ler a sua resenha achava que era. Muito inteligente do autor juntar o melhor de seus dois mundos, com certeza conseguiu criar uma obra emocionante e tocante, que mal posso esperar para conferir também.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  24. Eu não sabia que o autor também tinha um filho autista. Isso dá mais veracidade pra história, ele pode falar com mais propriedade sobre o assunto.
    Eu acho que entenderia a Jody, ter que segurar a barra sozinha deve ser muito ruim.
    Eu não faria a leitura agora, mas em uma oportunidade futura, quem sabe?

    Beijo

    ResponderExcluir
  25. Tenho muita vontade de ler esse livor, e conferir como o autor consegue trazer o tema do autismo de uma forma bem delicada como esse personagem. Bom ver ainda que tudo acontece em primeira pessoas e conhecemos o mais profundo do personagem.

    ResponderExcluir
  26. Oi,
    Quando vi esse livro primeiramente fiquei empolgada pela leitura, vi que se tratava de uma história com criança que tem autismo, mas aos poucos fui lendo resenhas e fui percebendo que talvez ainda não seja o momento para essa leitura, já tinha incluído ela para meta de 2017 e vou mante-la ainda mais depois de sua resenha, mas não será uma leitura para o primeiro trimestre.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  27. Olá,
    Ainda não li nenhuma obra que abordasse sobre o autismo e fiquei bem curiosa para saber como o autor trata desse tema que acho delicado de forma tão leve.
    Saber que o autor meio que retrata sua relação com o filho através do livro me deixa um tanto comovida e ainda com mais vontade de ler a obra.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. Olá!
    confesso que não conhecia o livro e fiquei muito interessada na história. Não deve ser fácil ter um filho autista e ainda mais estar cheio de problemas deve atrapalhar ainda mais. Adorei a sua resenha e seus pontos de vista foram bem colocados.
    Vou anotar a sua dica e assim que puder quero ler.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada pela visita e volte sempre <3

Bela Psicose - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©