17.1.17

Resenha | Casos de Família - Ilana Casoy

17.1.17

O livro Casos de Família nasceu de um projeto onde Ilana Casoy pegou seus cadernos de anotações de dois casos muito repercutidos no Brasil e trouxe à público. Os casos são os do Richthofen e dos Nardoni. Vou deixar claro aqui pra vocês que comecei a ler o dos Richthofen, mas em dado momento não consegui prosseguir pelo peso do crime. Pelo o que notei, o primeiro caso citado no livro tem mais detalhes de todo o processo de crime – acusação – autópsia -julgamento, enquanto os dos Nardoni temos foco no julgamento. Então, não consegui prosseguir a leitura em relação aos Richthofen, deixo uma resenha onde ela conta mais dessa parte.


Minha resenha será focada no caso Nardoni, que eu acompanhei na época dos acontecimentos (tanto do crime, quanto do julgamento). Sim, eu era uma criança, mas toda a situação me chocou de tal forma que eu acompanhei tudo.

"[...] Ela [Jatobá]  não parava de gritar, falei pra ela ficar quieta, pedi pra ela calar a boca, que eu não estava aguentando mais ela gritar. Aí ela mandou eu calar a boca também, me xingou e disse que aquela situação só estava acontecendo por causa da minha filha, que aquilo era por causa dela." - p.  297 (Ana Carolina de Oliveira - mãe de Isabella em depoimento)





No dia 29 de Março de 2008 acontece uma tragédia, Isabella de Oliveiranão usarei o “Nardoni” porque simplesmente é absurdo colocar esse sobrenome na menina dada a situação – foi arremessada do sexto andar do edifício London. Os principais suspeitos e acusados do crimes são o pai Alexandre Nardoni e a madrasta Anna Carolina Jatobá. Os dois negam veementemente a acusação, dizendo sempre que existiu uma terceira pessoa no apartamento. 

"A testemunha [Delegada Renata Pontes] continua, dizendo que estranha mais um assalto em que não há roubo do que uma pai que mata uma filha." - p. 329


Como disse o advogado de defesa Podval, o casal entrou basicamente condenado no julgamento. As provas apontavam para apenas uma direção – eles dois – não existia a remota possibilidade de ter uma terceira pessoa envolvida, não bate com os fatos, ligações e tempo do crime, palavras de Cembranelli durante o argumento final. 
 
É interessante notar que em seu depoimento e basicamente durante todo o julgamento, Alexandre Nardoni era frio. Nem parecia ter perdido a filha no dia em questão. Tudo o que ele queria, era se provar inocente, acusando qualquer pessoa que estivesse no edifício London, fosse um ladrão, o porteiro ou até mesmo o pedreiro que fazia a reforma do apartamento. Em nenhum momento ele se mostra indignado com o fato de que Isabella morreu e que – já que não foi ele o culpado – o verdadeiro assassino ainda estava “solto”. O único momento em que vemos Nardoni se exaltar é quando relata um suposto abuso sofrido na delegacia. Ou seja, narcisista, preocupado apenas consigo. 
 
"Me parece que, para um pai que perdeu a filha, Alexandre não tem raiva ou revolta contra quem matou a criança... não parece estranho? A revolta dele é contra a maneira que a polícia o tratou." (Tahiane Stochero do Diário de São Paulo) - p. 381
 
 
Anna Jatobá, que pelo que pude observar com relatos durante o julgamento, vinha de uma vida emocional muito desequilibrada, o que foi demonstrado tanto no depoimento quanto no correr dos dias de Júri. Ela chorava sem parar, ficava muito ansiosa.

"É preferível ser mãe de vítima do que de assassino." (Glória Perez) - p. 374
 


Cembranelli - Promotor da parte da acusação -  sempre me demonstrou firmeza no que faz, desde 2010. Ao fazer a leitura, em todos os momentos eu confirmava minhas impressões. Ele fez um trabalho excelente, com muito respeito à família Oliveira.


O advogado de Defesa Podval entrou numa situação muito complicada, complexa. Mas também fez seu trabalho. Eu diria que em alguns momentos, ele desrespeitou as provas que a Acusação trazia (peritos, médicos, testemunhas), mas ele precisava defender seus clientes apesar da óbvia culpa deles. Confesso que durante a fala final fiquei meio cansada dele, já que ele não conseguia quebrar os argumentos da Acusação se repetia em falas e enfim, não descia. 
 
"É incrível como a população confunde o papel do advogado e o ataca como se ele próprio tivesse cometido o crime em pauta. Será mesmo que a sociedade ficaria satisfeita com uma condenação sumária de réus que não teriam direito à defesa em um tribunal do júri?" - p. 291

Fazer essa leitura foi um tanto triste. A vida de uma criança foi levada por quem deveria protegê-la, o pai e com ajuda da madrasta que pelo visto tinha muito ciúmes da menina.



Pra quem acompanhou qualquer um desses casos ou tem interesse em saber sobre, vale muito a leitura. Ilana Casoy nos traz detalhes que provavelmente a gente não conhecia do caso. Pelo menos na parte dos Nardoni temos alguns termos técnicos – do Direito – mas eles são explicados em notas de rodapé ou no próprio texto, é compreensível. Nada que atrapalhe.

A edição da Darkside é impecável, como tudo que a editora faz. Ela traz a beleza fora pra um conteúdo triste e pesado por se tratarem de crimes familiares. Não sei se é necessário avisar, mas vocês podem ver que existem fotos do processo legal dos casos. Não se preocupem, não existem fotos de corpos ok? Tudo foi feito com respeito as vítimas.

Compre aqui

"Tragédias acontecem, às vezes de forma tão rápida que só pensamos nas consequências quando elas já estão diante de nós. Temos que enfrentar os resultados das escolhas que fazemos. Não há caminho de volta. Aguardando o veredito, só o que vejo são vidas destruídas e destinos pendurados no varal." - p. 467

24 comentários:

  1. Olá
    Adorei poder conferir suas impressões a respeito desse livro, ainda mais porque eu gosto bastante da escrita da autora e sim do gênero. Já li uma obra da autora e fiquei surpresa pelo quanto aproveitei a leitura. É um título que já esta na minha lista de desejados, desde que soube do seu lançamento, e depois porque só leio bons comentários, assim como na sua resenha, que me deixou ainda mais motivada e instigada para conhecer essa trama, que parece ser bem envolvente, heim?! Acho que irei adorar e não vejo a hora de ter meu exemplar em mãos! A edição da Darkside dispensa comentários ♥
    Boas leituras :)
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Preciso desse livro, eu acompanhei o caso Nardoni também, por mais como você eu fosse uma criança na época aquilo me marcou, exatamente por ser a morte de outra criança e por uma pessoa que deveria ama-la e protege-la o pai. Amei a sua resenha e fiquei curiosa em relação ao outro caso, então com certeza vou comprar esse livro!
    Bjss

    ResponderExcluir
  3. Olá!! :)

    Eu não conhecia este livro e ainda bem que gostaste de fazer a leitura!! :) E ótimo quando nos interessamos pelo que lemos!

    Confesso que isso não iria acontecer comigo, ate porque não tenho qualquer curiosidade acerca do caso (mas folgo em saber que há respeito pelas vitimas, de qualquer das formas!) :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  4. Eitaa...
    Pesado hein??
    Esses dois casos tiveram uma repercussão absurda, e fiquei super interessada em ler esse livro!
    Dica anotada!
    Um beijo!

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia o livro, mas posso dizer que pelas fotos que você postou e pela editora que saiu, de fato a edição esta linda. Adorei poder conferir suas impressões sobre a obra, mas confesso que não é uma leitura que faria, lê algo que aparentemente trás tantos detalhes do assassinato de uma criança, que aparentemente os assassinos foram os próprios pais é algo muito pesado, muito real e muito triste.

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bom?
    Não conhecia esse livro da Darkside, mas, por ter envolvimento com minha área de atuação profissional, já fiquei super curiosa, ainda mais que, assim como você, acompanhei o caso dos Nardoni na época, mesmo sendo novinha. Casos assim costumam nos marcar, independente da idade que temos. Quanto ao comentário de que a defesa algumas vezes desrespeitou provas trazidas aos autos, não acho que seja bem isso. No caso em questão o advogado deve se valer de todos os argumentos legais para rebater as provas e acho que foi o que ele fez... enfim! Sua resenha me deixou super curiosa para conferir o livro, adicionei o mesmo na minha lista de desejados aqui.

    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ana!
    Eu lembro dessa caso. Foi uma comoção muito grande. Não sei se eu teria coragem de ler esse livro, até hoje me sinto chocada com a crueldade com a qual fizeram com essa criança passar. Ainda assim, talvez um dia eu consiga dar uma olhada no livro.
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  8. Eu lembro claramente dos dois crimes. O caso Richthofen realmente é muito mórbido e compreendo o fato de você não ter conseguido dar procedimento a leitura.
    O caso Nardoni me dá repulsa. Como um pai faz isso com a própria filh? Eu não consigo colocar uma coisa dessa na cabeça!
    Eu não sabia da existência desse livro e achei muito interessantes, apesar da pegada mais técnica que não é a minha praia...

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Acompanhei na época cada caso, e realmente é chocante e triste cada um deles. Esse da garotinha foi horrível, dá muita raiva de uma pessoa dessas, que nem de pai deve ser chamada. Eu não lembro de ter visto sobre o que se tratava o livro antes, achei interessante, a autora sempre traz uma leitura excelente e pesada, quero conferir.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  10. Nossa! São dois casos realmente que até hoje nos choca pelas circunstâncias e crueldade. Realmente, ao mesmo tempo, que nos sentimos curiosos a saber mais, deve ser realmente chocante ter acesso aos detalhes desses crimes. Fiquei refletindo sobre a frase do advogado de defesa, e confesso, que muitas vezes pensei assim, mas o que ele diz tem todo sentido. Essa obra deve ser incrível pelo que o post mostra. Dica mais que anotada.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda, mas de cara fiquei curiosa, porque imagino que deva ser realmente bem interessante acompanhar melhor esses dois casos tão polêmicos e tristes. Bom, eu confesso que apesar de ser dois casos que tiveram uma grande repercussão, eu não sei muito sobre nenhum deles, logo a curiosidade em ler esse livro é enorme por isso. Enfim, espero ler esse livro algum dia, pois creio que será uma leitura interessante, embora bem dolorosa.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  12. Uau. Realmente, o caso é tão impactante, tão cruel e desumano, que eu ainda me recordo das noites em que assistia ao jornal com meus pais, com oito anos de idade, e que, mesmo não conseguindo registrar todas as informações, como hoje registro, elas ficaram retidas em mim.
    É realmente triste, como você disse, que as pessoas que deveriam protegê-la e passar essa confiança são as mesmas que cometeram essa atrocidade com uma jovem alma inocente! Além de quê, é nauseante ver com quanto descaso ele (o pai) trata a morte/assassinato da filha em comparação com seus maus tratos recebidos!
    Gostaria muito de conferir o livro, por mais triste e real e cru que seja Um retrato de quanta maldade há no mundo, sem que percebamos, que são cometidas por quem menos esperamos.
    Como sempre, a Darkside trazendo o impacto não só no estilo, mas nas histórias!
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  13. Lemnbro quando aconteceu esse caso, essa tragédia onde uma criança foi vítima de dois seres - que são tudo menos humanos - que na teoria deveriam cuidar e protegê-la. Acompanhei tudo que saiu por muito tempo e realmente a frieza que o Alexandre agiu, foi algo impressionante... Gostei de saber que essa obra trata de detalhes do julgamentos e vou buscar comprar para ler, porque gosto de ver como tudo acontece nessa área! Definitivamente uma obra que entrou para a minha lista de desejados! Parabéns pela resenha <3
    Um beijo
    www.brookebells.com

    ResponderExcluir
  14. Olá, ainda não conhecia o livro, nem ao menso sabia que ele tratava de dois casos que tiveram tanta repercussão no Brasil, e que ainda hoje é muito citado. Gostei da forma como a autora sustenta os casos e como mostra os pontos fortes e fracos da investigação. Entrou para minha lista de livros que preciso ler com urgência, a Dark está cada vez mais selecionando bons nomes para seu casting.

    ResponderExcluir
  15. oooi, como ce tá?
    Que blog mais lindo *-*
    Por ser sobre fatos reais, entendo sobre você falar mais sobre o tema e os assuntos tratados no livro, adorei como cobriu o que se passava com os envolvidos, ajuda a entender o que aconteceu.
    não tem muito o que eu falar, já que é uma coisa que aconteceu de verdade e você ter citado da editora é um ponto alto, a maioria das pessoas só menciona o autor, mas a editora é um ponto muito importante.
    Beijos ✿

    ResponderExcluir
  16. Oi, Ana!
    Eu lembro dos dois casos e acompanhei especificamente o da Isabella. Não conhecia esse livro e mesmo tendo ficado interessada acho que não conseguiria fazer tal leitura, acho que ela me afetaria muito. Talvez a curiosidade me vença um dia!

    Beijos,

    Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

    ResponderExcluir
  17. Olá
    caramba que interessante, ainda não conhecia essa publicação da editora mas já quero, amei a ideia e espero com certeza poder ler em breve, a sua resenha me deixou imensamente curiosa, espero amar

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Olá Ana Gabriela, tudo bem?

    Eu estou extremamente ansiosa para comprar e ler este livro. Me lembro vagamente do caso dos Richthofen, mas sei de todo o desenrolar da história, conforme os anos passam e novas informações vêm à tona. Já o caso Nardoni foi quando já estava mais da adolescência para a vida adulta, então foi chocante ver como um pai pode ser cruel quando quer. Não quero ter filhos, mas sei que se tivesse, essa nunca seria uma alternativa em minha vida. Me desfazer de algo meu é egoísta a ponto de ser o certo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Olá!
    Eu não sabia da existência dessa obra e fiquei curiosa para ler ela, mesmo acompanhando os dois casos gostaria de rever e analisar os pontos novamente (adoro fazer análises de crimes), a carga emocional deve ser muito grande, mas parece um livro perfeito pra quem gosta de ver detalhes de crimes; eu não duvidaria que a edição da darkside seria impecável, mas pelas fotos parece que se superaram, dica mais que anotada para comprar.
    Beijos,Lari.
    Segredosdeumacerejeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Apesar de amar a Darkside, não gosto muito destes livros de criminalistica. Leio para sair da realidade...

    Seus comentários a respeito do livro são aguçadores de vontade, parece realmente que o livro foi feito com cuidado e compreensão do caso.

    Ótima resenha!

    Abraços!
    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir
  21. Oi Ana!!
    Eu nao conhecia esse livro, mas me interessei bastante, para falar a verdade não sei se o leria por ser duas historias revoltantes, que por sinal, acompanhei as duas, ver essas fotos e os detalhes mais especificos acho que seria um pouco demais pra mim.

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  22. Olá,
    Desconhecia sobre o livro e ambos os casos são bem chocantes.
    Confesso que não gosto muito de acompanhar esses tipos de notícias, até porque muitos usam da dor na forma de sensacionalismo para ganhar audiência.
    Gostei de saber um pouco mais através de sua resenha sobre o caso Nárdoni, mas não é uma leitura que faria no momento. Quem sabe no futuro.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. ESSA EDIÇÃO TÁ MUITO LINDA ~DARKSIDE ARRASANDO COMO SEMPRE~ e ai meu Deus, eu não conhecia este livro!!!!!!!111111 KERO SIM, KERO MUITO! Gostei do enredo dele e a proposta de como ele foi feito, parece ser bem bacana! Adorei a resenha <3

    Beijos,
    Lu - @justificou

    ResponderExcluir
  24. Todas as edições da Darkside são lindas, mas esse é um livro que não pretendo comprar agora, mas saber que é um arquivo, e relembrar o caso Nardoni... Nossa! Só de pensar começo a chorar com o tanto de erros que teve naquela investigação, e como o julgamento dos pais demorou. O que leva uma pessoa a praticar tal crime? Meu noivo faz psicologia e nem mesmo ele soube responder.

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada pela visita e volte sempre <3

Bela Psicose - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©