5.6.17

Resenha | Adeus, Tóquio

5.6.17
Recebido de cortesia da Globo Alt

Adeus, Tóquio é tragicamente clichê e belo.


Vamos conhecer Sophia, filha de pais separados e que viveu grande parte da sua vida indo e voltando de Tóquio pra Nova Jersey pra Paris. E agora ela só tem maia uma semana em Tóquio, onde ela fez seus melhores amigos David e Mika e onde ela construiu alguns laços. Nessa última semana a única coisa que ela quer é se despedir e tentar superar uma mudança para Nova Jersey que ela não quer fazer.


Mas ai Jamie chega em Tóquio, três anos atrás – quando ele foi embora de lá – eles tiveram um grande desentendimento. E nesse momento, ele voltar justamente naquela semana foi a pior coisa.
"Todos nós construímos alguém em nossa cabeça. Todos nos machucamos por causa de alguém que nos magoa." - página 99





 "Às vezes você deixa as pessoas e segue em frente." - p. 111

Adeus, Tóquio é um livro leve, com uma história um pouco clichê, mas muito gostosa de ser lida e que traz assuntos relacionados a família, despedidas, reencontros, desentendimento e amadurecimento. Esse último foi algo que foi bem claro em vários personagens da história, não todos (né David? Minha maior decepção). O desenvolvimento da história é rápido, pois ele se passa em uma semana. É óbvio que na vida real as coisas não aconteceriam tão rapidamente, mas isso é compreensível considerando o enredo.

"A vida tem a ver com outras pessoas. Tem a ver com encontrar gente que você ama e segurar para sempre." - p. 118

Sophia é uma personagem com quem você se identifica (principalmente se você é introvertida como eu), ela tem uma visão do pai que é só dela, coisa que sua irmã Alisson tenta quebrar de todo jeito (e vocês vão compreender). Ela também tem uma quedinha pelo melhor amigo, então mais conflito. 

Mika é uma amiga muito boa, tem ums vacilos, mas ela é um alívio cômico na história. Jamie é aquele personagem que você acha que é de um jeito, mas ele é o oposto. Os personagens secundários de Adeus, Tóquio são bem inseridos e eles fazem sentido. Nenhum fica simplesmente flutuando do nada na narrativa.



"Você não pode magoar as pessoas e esperar que elas aguentem a porrada." - p. 121

A autora abordou assuntos interessantes de um jeito tragicamente belo, não esperava o final. Algumas coisas ficaram meio superficiais, mas não atrapalha a leitura. A narrativa é feita na primeira pessoa pelo ponto de vista da Sophia, o que te dá uma visão muito pessoal dos seus sentimentos. O que ajuda bastante o leitor, já que ela é bem introvertida.


Gostei bastante da história, é bem rápida. Então acho que vocês deveriam dar uma chance.

"Você é apavorante como um livro, pouco antes dele acabar. Quando você tem que largar, porque é demais para assimilar tudo de uma vez só." - p. 137


18 comentários:

  1. Não conhecia mas parece-me uma boa história.
    Vivi fora do país durante 3 anos e entendo bem essa questão das despedidas, de fazer amizades e depois ter de vir embora. É duro...
    Gostei da tua resenha.

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, tudo bem? Mulher, seu blog é lindo. Confesso que ainda não o conheci, apenas lá no Instagram onde suas fotos são lindas. Eu adorei a sua resenha e fiquei curiosa com o livro. Adoro leituras leves e personagens que é fácil se identificar. Já tinha adicionado a obra na minha listinha, porém agora fiquei ainda mais curiosa.

    Beijos,
    www.paginasincriveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi! Vi a capa desse livre no Skoob e achei um amorzinho. Gostei das frases que você colocou na resenha, elas provocam um incômodo bom e um pouco de reflexão.
    Beijos
    http://tudoqueeuli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Parece ser uma leitura gostosa, gostei da história e achei a capa linda!
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, acredito que se mudar de país não deve ser fácil, mesmo que a personagem, ao que parece, já esteja meio acostumada com isso. Não conhecia esse livro ainda, achei a capa bem bonitinha. Depois de ler sua resenha, é uma leitura que eu faria, por gostar de coisas aparentemente leves.

    ResponderExcluir
  6. Como você mesma falou, é bem clichê a história, né? Nada novo, nada intrigante... Sobre ser de leitura fácil, acho que estamos no tempo disso. Livros não podem mais tomar um caráter complicado. Na era da tecnologia, não há espaço para desfile de vocábulos, expressões e pensamentos complexos. Há como se dizer qualquer coisa de maneira simples!

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Esse parece ser um livro que prende, mesmo a história não sendo algo tão inovador ou grandioso. Os personagens aparentam ser reais, o que provavelmente aumenta a visão trágica e bela que é passada ao leitor durante a leitura. é uma leitura que eu faria, embora confesso que não no momento.
    O trabalho gráfico ficou lindo e me apaixonei pelo marcador.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Não tinha visto o livro ainda, mas infelizmente desta vez o enredo não me chamou tanta atenção. Acredito mesmo que a narrativa em primeira pessoa facilite o entendimento do leitor, ainda mais com uma personagem introspectiva como você bem salientou.
    Achei lindo o marcador.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  9. Oii, tudo bem?
    Ainda não conhecia a obra, adorei o marcador.
    A história me parece meio, mas imagino que traga muitas reflexões ao longo do livro. Também adorei saber que a personagem é bem descontraída, acho que isso não deixa a leitura tão pesada, mesmo tratando de temas importantes.
    Dica super anotada.

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Darei uma chance, com certeza, independentemente do clichê!! Gostei dos assuntos abordados na história e achei legal que todos os personagens são bem desenvolvidos. Isso faz muita diferença numa leitura!

    Bjos,
    http://contosdacabana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Hey!

    Amei a resenha, irei para Tóquio em breve então dizer que o livro me atraiu MUITO não é brincadeira. A história parece muito boa, dica anotadíssima!

    Bjos.

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?
    Owmmm eu não conhecia esse livro, mas amei.
    Um romance fofo e clichê é bem o que eu gosto.
    E esse marcador que arrasoooo.
    Amei a resenha, parabéns!

    ResponderExcluir
  13. Isso das coisas ficarem meio superficiais normalmente atrapalha minha leitura sim, gosto de tudo muito bem explicado e em livros com essa característica é algo mais difícil de acontecer...
    Gostei da premissa, mas não sei se leria.

    ResponderExcluir
  14. Anaaa, quotes fantásticos... lindos!! Amei!! Nossa como gostei da sua resenha e de conhecer esta obra que já está me impulsionando a adquiri-la para ler logo. Curiosissima para conhecer o tragicamente belo Adeus Tóquio.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  15. Oieee, não conhecia o livro, mas a edição esta linda, e apesar de fugir de alguns clichês este não seria um deles, eu gosto de livros com essa pegada e fiquei interessada em ler, obrigada pela dica!

    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Ainda não conhecia essa obra, mas fiquei super curiosa a partir da sua resenha, e tenho certeza que é uma obra que adoraria, principalmente por ser um clichê que simplesmente amo! Dica super anotada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  17. Oi Ana! Amei as fotos que você usou para compor o post, arrasou! Não conhecia ainda o livro, mas me apaixonei pela sinopse. Acho clichês um doce, rs
    Bjsss

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bem? Nossa parece um romance fofinho mesmo. Que capa e marcadores lindinhos haha Essa de personagem não amadurecer é decepção mesmo, mas isso não é um impedimento para mim lê-lo. Dica anotada!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada pela visita e volte sempre <3

Bela Psicose - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©