18.10.17

Resenha | O Sol Também é uma Estrela

18.10.17
Recebido em parceria com a Editora Arqueiro 

Um dia. É o tempo necessário pra mudar uma vida?

Natasha é imigrante ilegal nos Estados Unidos junto da mãe Patricia, do Pai Samuel e irmão Peter. Ela nasceu na Jamaica, mas aos 8 chegou ao terreno norte-americano e ela se sente em casa ali. Ela não acredita em muita coisa, apenas nas ciências e nos fatos. Destino pra ela é ladainha de sonhador. E sonhos também não são sua praia. Ela e sua família estão a 12 horas de serem deportados dos Estados Unidos e ela vai utiliza-las pra impedir isso. 

"É melhor ver a vida como ela é, não como a gente quer que ela seja." - p. 34





"Há uma expressão japonesa da qual eu gosto muito: koi no yokan. Não significa exatamente amor à primeira vista. É mais parecido com amor à segunda vista. É a sensação que a gente tem quando conhece uma pessoa por quem vai se apaixonar. Talvez você não a ame imediatamente, mas é inevitável que acabe amando." - p. 66

Daniel é imigrante também, coreano. Um filho bom, um aluno bom. Um sonhador, um poeta, mas que vive cercado das expectativas do pai para o seu futuro – como médico – não que isso seja o que ele quer. Acredita fielmente no destino e quando ele vê Natasha, percebe que tudo o que aconteceu naquele dia o levou àquele momento. 

"[...] o amor é muito mais complicado que isso. Não é só uma questão de escolher duas pessoas e fazer com que elas se façam algumas perguntas e aí o amor floresce." - p. 71

Natasha e Daniel se encontram num momento bem ruim da vida dela. Ela, prestes a ser expulsa dos Estados Unidos por um erro – de vários – que o pai (sonhador e ator) cometeu, quer resolver de alguma forma. O que a leva ao prédio do USCIS (United States Citizenship and Immigration Services), ou seja, o prédio do serviço de imigração, ela passa por uma Segurança, é direcionada a um advogado, e depois, sem muita esperança vai ao seu lugar favorito. A loja de discos. E é lá que ela vê um rapaz de terno, com um caderno e com um rabo de cavalo. Ele a ajuda numa situação constrangedora com o ex e é ali. Tudo começa a se alterar em uma das versões do universo. 

"[...] E o amor não é amor se não for retribuído, certo? Ela tem de querer, e obviamente não quer." - p. 89


"Sem obstáculos na queda, por favor. Ninguém quer se machucar quando cai de amor." - p. 108
O Sol Também é Uma estrela acontece em um dia. Sim, apenas um dia. São variados acontecimentos, alguns personagens apresentados, então, já deixe em mente que as coisas acontecem bem rápido. Mas a habilidade de Nicola Yoon de escrever faz com que a leitura flua naturalmente, apesar do tom místico que Daniel dá a história com sua crença no destino, e que uma coisa, leva a outra porque o universo quer que aquilo aconteça. 

"Um poeta chamado Warsan Shire diz que você não pode fazer um lar a partir de seres humanos, e que alguém deveria ter lhe dito isso." - p. 162

O romance se desenvolve bem rápido, mas a autora te dá uma explicação razoável pra isso desde o início: método científico. A narrativa é feita na primeira pessoa – pelo ponto de vista de Daniel, Natasha – e também existem capítulos narrados na terceira pessoa mostrando o ponto de vista de outros personagens da história. Nicola tem um recurso nos livros dela bem peculiares. Nesse, existem capítulos bem curtos contextualizando algo interessante a história. 
"A vida nem sempre acontece como a gente planeja." - p. 214


A escrita é divertida, leve, paixão a segunda vista (você vai entender a referência). Mesmo com a tensão da solução ou não do caso de Natasha, você se apega aos dois personagens e vai vivendo aquele dia com eles. Existem problemáticas familiares (nos dois lados e até com o advogado, personagem secundário), o livro cita a depressão/solidão, fala de racismo e de casais inter-raciais. Considerando nossos protagonistas, isso era óbvio. 

Eu gostei muito da leitura, achei o final justo, mas confesso que não me impactou tanto. Você fica com o coração apertado, mas também é um alívio. O equilíbrio da razão e emoção criado pelas crenças dos personagens é essencial pro andamento do livro. É uma boa leitura, gostosa, complexa, fácil... Mostra como o tempo é frágil, rápido. E que escolhas interferem muito no andamento do universo, mas é isso aí, elas precisam ser feitas. 

"[...] O amor muda as coisas o tempo todo. É para isso que existe o amor." - p. 268


7 comentários:

  1. Oie tudo bem? Tenho muita vontade de ler o livro, sua resenha só me deixou mais curiosa ainda. Espero poder lê-lo em breve!

    ResponderExcluir
  2. Oii Ana tudo bem?
    Eu tenho extrema vontade e curiosidade para ler esse livro linda, diante de tantos comentários positivos que ja encontrei do mesmo, sua resenha ficou ótima, como as fotos também e sei que seria aquela pedida de livros para que depois de terminarmos, tenhamos uma reflexão. Dica anotada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. hey!

    Eu já tinha ouvido falar do livro, mas nunca cheguei a lê-lo, sua resenha me deixou muito curiosa sobre a história, acredito que seja do tipo que eu iria gostar muuiiito.
    Dica anotada!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Olá, eu tenho bastante vontade de lê-lo, pelos seus comentários parece ter um enredo bem bacana e uma boa construção dos protagonistas *-*

    ResponderExcluir
  5. Segunda resenha do livro que vejo hoje...deve ser um sinal para eu ler kkk
    Bj e fk c Deus.
    Nana - procurandoamigosvirtuais.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Nos últimos meses os livros da editora foram me desmotivando e esse foi justamente o contrário, achei a história genial e um drama bom de ler.

    ResponderExcluir
  7. Oie Ana o/
    Ganhei esse livro da editora e to louca pra ler ele, tipo muito mesmo mas ainda não tive tempo :'( nas férias pretendo ler ele e espero me cativar assim como você e fiquei curiosa sobre esse final justo mas nao muito surpreendente.

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada pela visita e volte sempre <3

Bela Psicose - 2016

Design e Desenvolvimento por Moonly Design / ©