16.1.18

Resenha | Entre as Estrelas

recebido em parceria com a bertrand brasil


Entre as Estrelas nos traz a história de Max e Carys. Ele vivem numa sociedade onde os Estados Unidos e o Oriente Médio foram dizimados. Agora só resta a Europa numa utopia, cada um é responsável pelas próprias ações. 


A cada três anos, as pessoas precisam se mudar para uma nova comunidade multicultural – que são chamadas de Voivoidas – é numa dessas mudanças que Carys conhece Max. Ele é muito conformado e aceita todas as regras impostas dentro dessas comunidades. Uma delas é a Regra dos Casais, no caso, nessa sociedade, casais só podem existir quando são mais velhos (na faixa dos 40) quando eles estão “estabelecidos”. Já Carys, foi criada de forma a perceber se as regras impostas são saudáveis, ela gosta das relações e sente falta disso nessas comunidades onde os relacionamentos são superficiais por causa das regras. 

"Quando lhe dizem que você não pode ter determinada coisa, faz parte da natureza humana começar a desejá-la." - p. 148


Os dois se ligam e percebem que querem ficar um com o outro. Mas existem muitas regras. 


O livro se inicia com Carys e Max no meio do espaço com apenas 90 minutos de ar disponíveis nos tanques de oxigênio. Não existe saída óbvia. Ali, eles começam a pensar em como chegaram naquele ponto e o que podem fazer para sobreviver. A narrativa é feita na terceira pessoa, o que deveria ajudar o leitor a se encontrar entre os flashbacks/o presente é o futuro, mas não foi isso que aconteceu comigo.


Até certo ponto na história (ali pelas 120 páginas) eu só estava achando a história repetitiva. Mostrava-se os personagens no meio do espaço procurando uma solução pra saírem vivos daquela situação, aí eles entravam num papo reflexivo e íamos pra um flashback da vida deles anterior a aquele momento. E era isso. Mas insisti na leitura mesmo assim. Nisso, temos uma aparente decisão na parte do presente e saímos dos flashbacks. 


Foi aí que a autora me deixou completamente perdida.





Ela colocou uma espécie de visualização dos possíveis finais da história. Só que até eu entender isso, eu já estava muito brava com a escrita e terminei de ler só pra ver se fazia algum sentido. Acho que a autora poderia sim, ter feito uma espécie de interatividade com o leitor, para ele escolher um dos finais. Mas na real, ela jogou três alternativas ali, do nada. 


Nessa questão, achei bem falho. Não gostei e me senti totalmente perdida na leitura. No que conta a história, a construção da sociedade, achei bem interessante. Foi um livro que conseguiu discutir a relação de regras/sociedade até certo ponto. O romance é o centro da história, mas não é literalmente o foco. Confuso né? Haha. Temos sim o relacionamento de Carys e Max, mas eles não são aquele casal super fofinho, cheio de amores. Eles passam por situações muito difíceis considerando a sociedade em que vivem. 


Mas infelizmente, não foi a leitura mais proveitosa da minha vida. 








11 comentários:

  1. Oii Ana que demais essa sua resenha, fiquei bem instigada para ler a obra em si e saber o que vai acontecer com os dois, pois um mundo dizimado realmente não é nada fácil para se enfrentar,amei a edição.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Olá, Ana! Tudo bem?
    Eu solicitei esse livro pela Record e achei legal a trama, fluiu muito bem para mim, uma pena não ter ocorrido o mesmo contigo. Gostei da sua resenha e achei legal ter colocado as quotes. Gostei da sua sinceridade sobre o livro.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi.
    Tudo bom?
    Eu no começo da resenha estava achando a historia interessante, mas depois de suas considerações vou ter que deixar o livro de lado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oie
    poxa, uma pena que a leitura não te prendeu, ainda assim é uma boa dica pois pode ser que funcione para outras pessoa,s é bem ruim quando o livro acaba nos decepcionando mas gostei da sua sinceridade e se eu vier a ler, irei ler com baixas expectativas

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oiii
    Que pena que essa leitura não foi boa para você. Parece ser bem confuso mesmo, uma pena. Mas foi bom saber, por que esse é o tipo de livro que pego para ler só por que gostei da capa. suhaushuahsu!
    Bjus

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Imagino sua frustração, eu já peguei um livro com um final alternativo e não gostei, imagina três? Ficaria louca huahauhaua
    Por mais que eu leia resenhas deste livro eu ainda não entendi do que se trata, mas acho que é porque o livro é confuso mesmo.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana,
    Pena que você não gostou de Entre as Estrelas. É tão decepcionante quando a gente percebe que a história poderia ter sido melhor aproveitada. Gosto de distopias e um pouco de ficção científica, mas não dá pra ler um livro confuso e repetitivo. Gostei da capa dele.
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  8. Olá! Tenho visto vários comentários sobre o livro. É uma pena você não ter se identificado. A capa é muito bonita e sua resenha é muito sincera. Continuarei acompanhando as próximas leituras, bjoo

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Gostei muito da sua resenha, também não gosto de me sentir assim lendo um livro, mas o que vale é a leitura em si, certo? :)
    Mas confesso que não fiquei muito curiosa para ler.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Se entendi bem é uma mistura de distopia com scifi é isso? kkk daria certo na teoria né mas pela tua resenha parece que o tiro saiu pela culatra e ficou uma coisa bem louca e sem sentido e se pela capa adorei, não sei se leria não..

    ResponderExcluir
  11. Olá, que capa linda...estou apaixonada aqui ❤

    Adoro resenhas sinceras, é dificil encontrar, pois parece que muitos tem medo de falar o q realmemte pensam...se não gosta, é normal, ninguém é obrigado a gostar de td o q os outros gostam. Parabéns

    Mas é uma pena, pq essa capa está incrível msm.

    Abraços

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada pela visita e volte sempre <3

Bela Psicose • 2014 - 2018 Feito com ♥ por Lariz Santana